Publicidade

Posts com a Tag IPP

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012 Reportagem | 09:03

Governo do Estado infla número de moradores de comunidades pacificadas por UPPs

Compartilhe: Twitter

Pela reconquista de territórios antes ocupados por traficantes e milicianos, as Unidades de Polícia Pacificadora são o carro-chefe do governo Sérgio Cabral, no Rio de Janeiro. Em três anos foram instaladas 19 delas em algumas das favelas com maior presença desse poder paralelo na capital do Estado. A propaganda oficial afirma que são 344 mil moradores de 72 “comunidades pacificadas” atendidas pelas UPPs. Contudo, basta consultar os dados do Censo 2010, do IBGE, órgão encarregado oficialmente da contagem populacional no País, para constatar que o número real de habitantes é inferior.

Primeira favela a receber uma UPP, a Santa Marta teve o número de moradores aumentado pela estimativa do governo

Primeira favela a receber uma UPP, a Santa Marta teve o número de moradores aumentado pela estimativa do governo

Nas 19 UPPs existem 71 favelas, de acordo com o IBGE. Nelas vivem 165.125 pessoas segundo os dados do Censo 2010 (veja a relação completa e o número de habitantes de cada uma no final do texto). Em toda a cidade são 763 favelas com 1.393.314 moradores. São os números mais recentes da maior e mais precisa contagem de população feita no Brasil.

Entenda como foi feito o cálculo usando os números do Censo

Isso significa que, de cada mil moradores de favelas na cidade do Rio, apenas 118 vivem em áreas pacificadas com UPPs. As próximas unidades já estão programadas. Serão Rocinha, provavelmente no próximo mês, e Complexo do Alemão, que segue ocupada por militares da Força de Ocupação das Forças Armadas.

Exemplos de erros

Os números de beneficiados divulgados pelo governo do Estado são errados. Algumas vezes para menos, é importante registrar. Na maioria, porém, o equívoco é para mais. Em certos casos os números do governo não têm qualquer conexão com a realidade. Principalmente os relativos às primeiras unidades instaladas.

É o caso da do Batan, que era dominada por milicianos na zona oeste e foi instalada em fevereiro de 2009 (mais de um ano antes de o Censo fazer sua pesquisa). Segundo a Secretaria de Segurança Pública, são 45 mil pessoas atendidas nas “comunidades pacificadas” na área. De acordo com o IBGE, entretanto, o número de moradores em favelas lá mal alcança a um décimo disso: 4.601 pessoas. Se formos acrescentar a população que mora na área da UPP, mas não vive em favelas, chegaremos a pouco mais de 16 mil.

Na de Babilônia/Chapéu Mangueira, no Leme, na zona sul da cidade, o governo afirma que são 10 mil beneficiados nas duas “comunidades pacificadas”. Pelo Censo, no entanto, a primeira tem 2.451 moradores; a segunda tem 1.289, somando 3.740. Outras 135 pessoas que não moram nas favelas estão na área da UPP.

No caso da Santa Marta, em Botafogo, vizinha do Palácio da Cidade, sede da Prefeitura, outro erro digno de nota. O governo diz que a comunidade tem 10 mil moradores. O Censo 2010 registrou 3.913 habitantes. Com a população “do asfalto”, no trecho contíguo à favela e na área da UPP, o número de pessoas pularia para cerca de 5 mil.

Policiamento especial

Para além do efeito de propaganda, o aumento da população atendida pelas UPPs cria um problema logístico, já que o número de habitantes é um dos principais fatores para se definir o contingente de policiais que ficará no local.

Essas áreas contam com um policiamento especial, feito em sua maioria por soldados recém-formados. Atualmente, o efetivo total das UPPs é de 3.992 homens. O que dá uma média de um PM para cada 41 habitantes das “comunidades pacificadas”, usando os dados do Censo 2010.

Se o programa fosse levado para todas as 763 favelas da cidade – e a proporção do efetivo fosse mantida em relação à população das comunidades – seriam necessários 33.688 policiais. Isso significaria praticamente multiplicar por dez o número atual, com o acréscimo de 29.696 homens.

Ex-coordenador de UPPs explica que número de moradores é apenas um fator para definir efetivo

O que é uma favela?

É importante explicar que o IBGE não usa a palavra favela, termo criado no Rio e que não se aplica a moradias carentes em toda a federação. Como os termos mudam de uma área para outra, o IBGE adotou uma definição técnica: aglomerado subnormal.

“É um conjunto constituído por no mínimo 51 unidades habitacionais (barracos, casas… ), ocupando ou tendo ocupado até período recente, terreno de propriedade alheia (pública ou particular) dispostas, em geral, de forma desordenada e densa; e carentes, em sua maioria de serviços públicos e essenciais”.

Essa definição, no entanto deixa de fora conjuntos habitacionais, mesmo aqueles em que vivem famílias com perfil sócio-econômico semelhante aos de favelas.

Sendo assim, as favelas da Cidade de Deus constam da contagem de “aglomerados subnormais” do IBGE, mas o conjunto que deu origem á área ficou de fora. Mas isso não explica a discrepância entre os números do IBGE e da Secretaria de Segurança Pública, que diz que a UPP atende 65 mil pessoas na “comunidade pacificada” da Cidade de Deus.

O Censo aponta 5.705 moradores nas nove favelas da região. A soma de todos os habitantes da área, incluindo o conjunto habitacional, chegaria a 45 mil pessoas.

No Batan também há um conjunto de fora. “O Ipê é ocupado por famílias muito pobres que perderam tudo em deslizamentos em chuvas recentes. Pode não ser considerado favela, mas as pessoas ali estão entre as mais necessitadas da área da UPP. Fazer essa distinção técnica é difícil. A gente policia tudo”, explica o tenente Juliano, subcomandante da UPP do Batan. De qualquer forma, o “tudo” policiado soma 16 mil pessoas. Muito diferente dos 45 mil informados pelo governo.

TOTAL DE MORADORES DE FAVELAS ATENDIDOS POR UPPs

São 165.125 pessoas* em 71 favelas reconhecidas pelo Censo 2010

1. Santa Marta: 3.913 moradores (em uma favela)

2. Cidade de Deus: 5.705 moradores (em nove favelas)
– Santa Efigênia: 1.843
– Travessa Efraim: 930
– Sítio da Amizade: 836
– Rua Moisés: 587
– Moquiço: 436
– Conjunto Vila Nova Cruzada: 398
– Vila da Conquista: 278
– Pantanal 1: 206
– Pantanal: 191

3. Batan: 4.061 moradores (em quatro favelas)
– Batan: 3.254
– Rua Duarte Coelho de Albuquerque: 806
– Vila Jurema 1: 359
– Vila Nova: 182

4. Babilônia/Chapéu Mangueira: 3.740 moradores (em duas favelas)
– Babilônia: 2.451
– Chapéu Mangueira: 1.289

5. Pavão-Pavãozinho: 10.338 moradores (em duas favelas)
– Pavão-Pavãozinho: 5.567
– Cantagalo: 4.771

6. Cabritos: 4.336 moradores (em três favelas)
– Morro dos Cabritos: 2.602
– Ladeira dos Tabajaras: 1.359
– Mangueira: 375

7. Providência: 4.889 moradores (em quarto favelas)
– Morro da Providência: 4.094
– Moreira Pinto: 326
– Pedra Lisa: 260
– São Diogo: 209

8. Borel: 12.812 (em seis favelas)
– Borel: 7.548
– Morro da Casa Branca: 2.539
– Morro do Cruz: 1.355
– Indiana: 887
– Morro do Bananal: 307
– Buraco Quente: 176

9. Formiga: 4.312 moradores (em uma favela)

10. Andaraí: 9.704 moradores (em seis favelas)
– Parque João Paulo II: 2.616
– Nova Divinéia: 1.976
– Arrelia: 1.972
– Andaraí: 1.760
– Jamelão: 944
– Borda do Mato: 436

11. Salgueiro: 3.345 moradores (em duas favelas)
– Salgueiro: 3.149
– Coréia: 196

12. Turano: 12.058 moradores (em dez favelas)
– Morro da Liberdade: 3.259
– Morro do Bispo: 1.978
– Matinha: 1.717
– Morro do Chacrinha: 1.177
– Sumaré: 925
– Rodo: 901
– Santa Alexandrina/Parque Rebouças: 686
– Pantanal: 612
– Vila Santa Alexandrina: 530
– Paula Ramos: 273

13. Macacos: 19.082 moradores (em duas favelas)
– Parque Vila Isabel: 14.007
– Macacos: 5.075

14. São João: 6.786 moradores (em três favelas)
– São João: 3.745
– Morro da Matriz: 1.552
– Morro do Quieto: 1.489

15. Fallet/Fogueteiro: 9.013 moradores (em cinco favelas)
– Morro da Coroa: 4.069
– Unidos de Santa Tereza: 3.780
– Ocidental Fallet: 749
– Luiz Marcelino: 254
– A.M. e Amigos do Vale: 161

16. Prazeres/Escondidinho: 5.065 moradores (em quarto favelas)
– Morro dos Prazeres: 2.136
– Morro do Escondidinho: 1.758
– Vila Anchieta: 854
– Vila Elza: 317

17. Complexo do São Carlos: 15.244 moradores (em cinco favelas)
– Catumbi: 5.790
– São Carlos: 5.784
– Azevedo Lima: 2.396
– Morro Santos Rodrigues: 1.006
– Rato: 268

18. Mangueira: 20.350 moradores (em oito favelas)
– Morro dos Telégrafos: 6.657
– Mangueira: 4.594
– Tuiuti: 3.263
– Parque Candelária: 2.229
– Marechal Jardim: 1.787
– Vila Miséria: 724
– Parque dos Mineiros: 668
– Rua Bartolomeu Gusmão: 428

19. Vidigal/Chácara do Céu: 10.372 moradores (em duas favelas)
– Vidigal: 9.678
– Chácara do Céu: 964

* Não estão contabilizados os moradores de áreas das UPPs que não vivem em favelas.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011 Reportagem | 09:04

De Sepetiba a Praia Grossa, as 71 praias cariocas

Compartilhe: Twitter

Do Leme ao Pontal não há nada igual… no mundo. Sem contar com Calabouço, Flamengo, Botafogo, Urca, Praia Vermelha, já cantava Tim Maia com seu vozeirão.

Praia do Diabo, com Ipanema e Leblon ao fundo

Praia do Diabo, com Ipanema e Leblon ao fundo

Só que Tim deixou de lado muitas praias famosas da cidade do Rio de Janeiro. Ele nomeou 7 das 71 que formam os 90 km da orla carioca – em mar aberto, em restinga e na Baía de Guanabara.

Símbolos do Rio, elas foram inventariadas e ganharam um roteiro em “Praias Cariocas”, do designer Claudio Novaes, 50 anos, gerente de Disseminação de Informação do IPP (Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos), que lançou esta semana o livro (R$ 25) com fotos dele e do fotógrafo Cesar Duarte.

Algumas são famosas internacionalmente, como Copacabana e Ipanema, que renderam músicas e se transformaram em dois dos mais vistosos cartões postais do País.

Tirando a roupa

Abricó, em Grumari, é a praia naturista do Rio

Com 270 metros de extensão, Abricó é a praia naturista do Rio

Há outras que já tiveram algum destaque ou que, ocasionalmente, ganham atenção da mídia. No primeiro caso é possível citar a Praia de Ramos, com seu piscinão na Zona Norte. No segundo caso está Abricó. Com seus 270 metros de extensão, e cercada por pedras e vegetação, é a única reserva naturista da cidade. Para entrar lá só seguindo os preceitos da associação que administra o lugar. Em outras palavras, tirando a roupa e ficando ao natural.

Praia de Ramos, na Baía de Guanabara, com o piscinão de Ramos

Praia de Ramos, na Baía de Guanabara, com o piscinão de Ramos

“Pensei em estruturar o livro  como um roteiro, como se o leitor caminhasse pela orla da cidade, de Sepetiba até Paquetá, a ilha no meio da Baía de Guanabara”, explica Cláudio, que levou 11 meses de pesquisa e trabalho de campo, indo a todas as praias citadas. Ou quase. “Em Abricó só fui até a entrada”, ri.

Como ponto de partida ele usou uma listagem e informações do IPP, que à maneira de um IBGE carioca reúne informações estatísticas sobre a cidade. As praias foram ordenadas em cinco áreas: Zona Oeste, Barra da Tijuca, Zona Sul, Zona Norte e Ilha de Paquetá.

Local de fundação da cidade

E cada uma apresenta mapa de localização, informações sobre acessos, serviços e equipamentos disponíveis, além de curiosidades. Por exemplo, a Praia de Fora, dentro da fortaleza de São João, na Urca, não é somente a última praia da Zona Sul antes da baía. Foi láque Estácio de Sá fundou a cidade, em 1565.

A José Bonifácio, ou da Guarda, na Ilha de Paquetá, ganhou esse nome  por conta da guarda montada para vigiar a prisão domiciliar de José Bonifácio de Andrada e Silva, o patriarca da independência.

“A de São Bento, na Ilha do Governador, tem uma história interessante. A área foi doada por um fazendeiro aos padres beneditinos em troca da salvação da alma dele e da família”, conta Cláudio.

Praias selvagens

Mapa do livro mostra a localização das praias selvagens

Mapa do livro mostra a localização das praias selvagens

Na Zona Oeste ficam as cinco praias “selvagens” da cidade, sem acesso formal ou qualquer infraestrutura no local. Para chegar a esses pontos, protegidos por paredões de pedra e vegetação intocada, só por barcos ou caminhando por trilhas.

Praia do Perigoso é uma das cinco ainda selvagens na cidade

A praia do perigoso é uma das cinco ainda selvagens na cidade

As praias dos Búzios, do Perigoso, do Meio, Funda e do Inferno ficam próximas, entre Grumari e Barra de Guaratiba. Desconhecidas dos cariocas, elas ficam praticamente desertas durante a semana e são pouco visitadas nos finais de semana.

“As selvagens são mais bonitas, mas não têm qualquer infraestrutura. Gosto de Grumari, que tem alguma estrutura, quiosques para comer ou beber algo, e são um pouco selvagens ainda”, afirma Cláudio, que também frequenta a Barra.

Nem todas as 71 são próprias para banho. “As praias de Paquetá são muito bonitas, mas não são balneáveis. Elas sofrem com a degradação da baía, infelizmente”, diz Cláudio sobre a parte final de seu roteiro, que termina com as 14 praias da ilha.

Aliás, se seguisse a geografia carioca, Tim Maia teria feito outra letra para “Do Leme ao Pontal”. De Sepetiba a Praia Grossa não há nada igual… no mundo. Hum, pensando bem, melhor não.

Autor: Tags: , , , ,