Publicidade

sexta-feira, 23 de março de 2012 Entrevista, Reportagem | 16:07

Rio+20: Cúpula de regiões discutirá criação de pactos em oito temas

Compartilhe: Twitter

Para marcar os 20 anos da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (UNCED), realizada no Rio de Janeiro em 1992, a capital carioca irá sediar entre 20 e 22 de junho deste ano a Rio+20, a conferência da ONU que vai discutir a economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza e a estrutura institucional para o desenvolvimento sustentável.

Logotipo da Rio+20

Logotipo da Rio+20

Mas outros eventos paralelos irão ocorrer. A secretaria estadual de Meio Ambiente está focando seu trabalho na Cúpula Mundial de Regiões (World Summit of Regions), que será realizada no Rio no dia 19 de junho, às vésperas da Conferência das Nações Unidas Sobre Desenvolvimento Sustentável.

A ideia dessa cúpula é criar uma coalizão global com regiões subnacionais (estados, províncias, departamentos) que se comprometam com algumas metas relacionadas aos temas da Rio+20.

“Os estados regionais e províncias têm mais flexibilidade do que as nações para tomar decisões e implantar medidas. Qualquer acordo no âmbito das Nações Unidas é extremamente complexo”, avalia em entrevista ao iG Suzana Kahn, subsecretaria estadual de Economia Verde do Rio de Janeiro e que está coordenando os trabalhos relativos a Rio+20 no estado.

A história pouco conhecida do herói nacional da preservação

Ela admite que a dificuldade de adoção de metas “verdes” globalmente, pelos países, tem frustrado muita gente. Daí a necessidade de se incluir outras instâncias do executivo em que ações possam ser mais facilmente tomadas. O que não significa abandonar as discussões e tentativas de entendimento entre as nações. É simplesmente procurar atuar em um outro nível do executivo, menos rígido.

“Assim a gente começa um movimento de baixo para cima. E isso pode ajudar as nações a usar essas ações posteriormente”, afirma Suzana, que ocupa a vice-presidência do grupo mundial de cientistas do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU (IPCC), que ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 2007.

Energia suja e economia verde

Cada vez mais dependente financeiramente de uma energia “suja”, como petróleo e derivados, o Rio de Janeiro é o primeiro estado do País a criar uma subsecretaria de economia verde e também está coorganizando a Cúpula Mundial das Regiões.

A coalizão é iniciativa da nrg4SD (sigla em inglês para Rede de Governos Regionais para o Desenvolvimento Sustentável) e já conta com mais de 60 representantes, que ainda vão se debruçar sobre o documento final. Alguns do participante, além do estado do Rio de Janeiro, são São Paulo; Quebec (Canadá); Aragão, País Basco, Catalunha, Ilhas Canárias, Cantábria (Espanha); Bavária e Baden-Wuerttemberg (Alemanha); Xangai (China); Maryland e Califórnia (EUA); Bretanha, Aquitânia, Île de France, Rhone-Alpes (França); Buenos Aires, Chaco, Santa Fé (Argentina), País de Gales (Reino Unido) e Burkina do Norte (Burkina Fasso).

Outras regiões subnacionais foram recentemente convidadas para aderir a essa coalizão. O nrg4SD – que vai participar também da reunião preparatória para a Rio+20, entre os dias 13 e 15 de junho.

Oito temas estão sendo discutidos entre os membros da coalizão para serem incluídos em um programa conjunto: redução de emissão de gases de efeito estufa; aumento de eficiência energética; acesso universal à educação básica; melhoria da qualidade da água; quotas de transporte limpo e eficiente; criação de novos postos de trabalho “verdes”; redução na geração de resíduos por unidade de PIB; composição de energia renovável na matriz energética.

Serão discutidas metas, a criação de novos indicadores e formas de monitoramento. Mas não há nada completamente fechado ainda. “Vai ter algo de energia renovável, por exemplo. O que estamos discutindo agora é qual o percentual, qual o ano base”, explica ela, que é subsecretaria.

Muitas vezes não são discussões simples. Além das metas é preciso criar mecanismo eficientes de monitoramento para aferir o cumprimento do que foi estabelecido. “Ter metodologias para avaliar o que há de verde no desenvolvimento econômico  não é algo trivial”, reconhece Suzana.

Os estados, as regiões, as províncias e os departamentos participantes se engajariam em algumas das metas dentro da necessidade ou possibilidade de cada um, não necessariamente em todas.

“Saneamento é uma das metas. Quebec não tem problema algum com saneamento. Ela optaria por alguma outra na listagem que vai ser discutida. Serão várias, de habitação, energia renovável, eficiência energética… Já em Burkina do Norte a falta de saneamento é um problema”, explica Suzana.

Uma das propostas feita pelo Estado de São Paulo é aumentar a quota de energia renovável (hídrica, biomassa, solar, vento, mar, geotérmica, marinha) tendo como base o ano de 2008 em 17% do total até 2030 e 27% do total até 2050.

Autor: Tags: , , , , , , ,

4 comentários | Comentar

  1. 54 Reginaldo do Nascimento 24/03/2012 11:01

    Apesar dos problemas, nós temos só exemplo para dar para esses Países que depois de acabarem com suas reservas, se acham os donos da verdade.

    Temos a geração de energia mais limpa e mais barata do mundo, apesar de ser a mais cara do mundo para o consumidor final. Nós! Temos a maior reserva de Mata Atlântica, florestal, cerrado, etc. E ainda acham que somos terceiro mundo e não temos como cuidar da nossa terra.

    E para piorar temos os nossos “Ambientalistas” contra Belo Monte, transposição do São Francisco, Código Florestal, etc. que para chegar ao encontro, levantam, ligam o interruptor de energia da Cemig, tomam banho de chuveiro elétrico e agua tratada, escovam os dentes com água tratada e pasta de dente, fazem café no fogão a gás e tomam na xicara colorex, colocam sua calça jeans, seu tênis Nike, relógio com pulseira de fibra de carbono, pegam seu Notebook com tela touchscreen, vão no seu carro motor a gasolina 2.0, com ar condicionado e banco de couro……..

    Por favor, me poupem! Olha o tanto que nós agredimos a natureza só na parte da manhã. Temos sim que preocuparmos com o meio ambiente.

    Infelizmente precisamos agredir a natureza para sobrevivermos, mas faceemos isso sem demagogia e de forma consciente, sustentável e renovável.

  2. 53 Ivan-S.Paulo 24/03/2012 8:28

    muitos planos,e nenhuma realização,gostaria que o dinheiro gasto p/ esta reunião fosse destinado a algo realmente necessario ,exemplo : presevação e consevação de areas verdes do Rio de Janeiro……..de blá bla´é o que menos precisamos.

  3. 52 Shirlei Horta 23/03/2012 19:50

    Não sou das mais otimistas a respeito desse evento. Na verdade, para mim, trata-se de um “evento”, mais do que qualquer outra coisa. Não sinto nenhum comprometimento das nações, ainda mais se levarmos em consideração a desimportância que a ONU tem ganhado nos últimos anos. Incapaz de renovar-se a si mesma, seria capaz de coordenar a renovação onerosa dos outros?

  4. 51 Ernesto da Silva 23/03/2012 19:39

    Não está cheirando bem essas reuniãozinhas em Manaus.Está parecendo que o Brasil é o único responsável pela poluição mundial.Fiquem de olhos bem abertos nessa turma.

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.