Publicidade

sábado, 3 de dezembro de 2011 Reportagem | 08:01

Desconhecido dos cariocas, o Morro da Conceição abre suas portas

Compartilhe: Twitter

É como uma pequena e tranquila cidade do interior no meio do burburinho caótico do centro do Rio de Janeiro. A poucos passos do antigo cais do porto da praça Mauá, com suas decadentes boates de strip-tease; do início da avenida Rio Branco, e atrás da avenida Presidente Vargas, com seus engravatados apressados, está escondido o Morro da Conceição.

Palácio episcopal, hoje ocupado pelo exército

Palácio Episcopal, hoje ocupado pelo Exército

Escondido não é modo de dizer. Um paredão de prédios impede a visão do local, desconhecido da maioria dos cariocas apesar de ser um dos marcos fundadores da cidade e de extrema importância para o desenvolvimento do que se tornou o Rio de Janeiro. Poucos sabem que há uma fortaleza no morro, com guarnição do exército e tudo – e aberta a visitação.

Vista de uma rua do Morro da Conceição

Vista de uma rua do Morro da Conceição

Com os morros do Castelo, de Santo Antônio e de São Bento, o da Conceição formava os quatro pontos onde o Rio de Janeiro nasceu e cresceu por quase três séculos a partir de sua fundação em 1565.

Essa áreas foram privilegiadas no início por conta das características topográficas da região, dominada por manguezais e áreas inundáveis. Os dois primeiros morros foram destruídos. O terceiro abriga o mosteiro que leva seu nome. O único que permanece como local de moradia é o da Conceição, com casario antigo de sobrados centenários em meio a becos, ladeiras, escadarias e ruelas com nomes estranhos, como rua do Escorrega.

A baía de Guanabara chegava aos pés do Morro da Conceição cujas muradas que serviram de ancoradouro durante séculos. Em seu topo, em 1634, foi construída a ermida de Nossa Senhora da Conceição, que se tornou o convento dos Capuchinhos. É lá que ficaria o Palácio Episcopal, com a chegada em 1702 do bispo d. Francisco de São Jerônimo, que escolheu o lugar para morar.

Pilhagem corsária

Fachada de uma casa no Morro da Conceição

Fachada de uma casa no Morro da Conceição

Oito anos depois o local foi alvo das baterias francesas na tentativa fracassada de invasão capitaneada por Duclerc.  No ano seguinte – a exatos 300 anos -, em nova investida comandada pelo corsário René Duguay-Trouin, os franceses foram bem sucedidos, após bombardeio e saque da cidade. Ele escolheu o palácio como sua residência. Só foi embora após receber um resgate.

Para evitar experiências do tipo, os cariocas resolveram reforçar a defesa da cidade construindo uma fortaleza nos fundos do terreno do palácio. Mais tarde ela receberia como prisioneiros, três participantes da Inconfidência Mineira, incluindo Thomaz Antonio Gonzaga (o Dirceu do poema arcadiano “Marília de Dirceu”).

Hoje, a fortaleza da Conceição abriga a 5ª Divisão de Levantamento do Exército, responsável pela área de cartografia da corporação. Além da fortaleza do Exército, o local também abriga um observatório, o do Valongo, onde antes havia uma chácara em que escravos eram vendidos, nos períodos colonial e imperial.

Samba, escravos e a Pedra do Sal

A Pedra do Sal, onde escravos desembarcavam na cidade

Em uma das entradas do morro, aliás, está a Pedra do Sal, que ganhou esse nome porque o tal produto era descarregado das embarcações ancoradas nas proximidades. Com o tempo, escravos também passaram a descer ali dos navios negreiros. No início do século passado, a área, frequentada por Pixinguinha, Donga e João da Baiana foi um dos berços do samba.

O restaurador Oyama Achcar é um dos artistas com ateliê no local

O restaurador Oyama Achcar é um dos artistas com ateliê no local

Apesar da localização central e da importância histórica, o Morro da Conceição foi se deteriorando com os anos. Cerca de 500 famílias ainda moram no local, que está passando por obras. Algumas moradores foram personagens do documentário feito pela cineasta Cristiana Grumbach com o nome do lugar.

Ultimamente passou a acolher artistas plásticos, que ajudaram a revigorar o bairro e criaram o projeto Mauá. Eles organizam, anualmente, o “Arte por toda parte”, que abre as portas dos ateliês e realiza eventos culturais. Um deles é o Ventos do Norte, de Oyama Achcar (especializado em restauração) e Tania Gollnick. O deste ano é neste final de semana.

Com feira de artesanato e antiguidades, palestras e inclui com shows da Orquestra Voadora (no sábado) e do bloco de carnaval Escravos da Mauá (no domingo).

Também têm passeios feitos por guias do programa Palácios do Rio, desenvolvido pelo Laboratório de Tecnologia e Desenvolvimento Social da Coppe/UFRJ.

De forma didática e interessante, eles contam a história do morro e ainda visitam a fortaleza da Conceição. O projeto se encerra na próxima semana, no dia 8 (o telefone para agendar é 21/2263-0685).

Baía de Guanabara vista da fortaleza da Conceição

Baía de Guanabara com a ponte Rio-Niterói ao fundo vista da fortaleza da Conceição

Autor: Tags: , , ,

33 comentários | Comentar

  1. 83 Thamine 06/12/2011 8:06

    Adorei!!! Parabéns!
    :)

  2. 82 Isaias Cabral 05/12/2011 1:40

    Fui criado no Morro da Conceição,passei grande parte da minha vida,infância e juventude neste local histórico e sossegado,pelo menos era na minha época. Morei inicialmente na Rua Jogo da Bola,que corta quase toda a extensão do morro,com suas casas portuguesas antigas,onde todos se conhecem,morei também na ladeira do Valongo com seu calçamento de pedras irregulares,da janela de minha casa eu podia avistar o jardim suspenso do Valongo,com suas belas estatuetas esculpidas em mármore trazidas de Portugal ou Itália,sei lá. e uma fonte de água corrente que hoje não existem mais,por abandono ,furto ou incapacidade de administrar nossa história nosso passado e por último fui morar na Rua Sacadura Cabral esquina com a rua do Escorrega próximo a rua Eduardo Jansen (foto 2) onde morava minha namorada,com quem casei. Perto dali quase chegando na Praça Mauá,tínhamos bons restaurantes,de um tenho boas lembranças,chamava-se Odalisca onde eu tomava o café da manhã com uma deliciosa torrada Petrópolis. É com pesar que vejo,que os nossos governantes,administradores,moradores (não todos),traficantes,vagabundos,mendigos,pichadores,aspone e afins,deixem de preservar um lugar com passado histórico e tranquilo dentro de uma cidade caótica, que é MARAVILHOSA.

  3. 81 NILO NORONHA 04/12/2011 20:07

    O local e muito agradavel mas por conta da revitalizacao os moradores estao sofrendo muito , com as ruas esburacadas e dificuldades de alguns veiculos chegarem aos locais. Vale a pena conhecer.

  4. 80 sergio 04/12/2011 15:30

    Este é um bairro do Rio de Janeiro, de origem bem portuguesa, aristocrático em sua arquitetura

    mais popular e não tanto “palaciano” quanto Santa Teresa, diametralmente oposto, bem junto ao

    mar, daí talvez seu lado mais popular, nem por isso muito menos bonito; vale a penas pisar por

    esses caminhos de pedra ………………………….

  5. 79 zee 04/12/2011 15:18

    Vai acontecer finalmente, o Brasil não mais viver de costas para com sua Historia e seus -…antepassados

  6. 78 Ivan 04/12/2011 15:16

    Literalmente a Gamboa e Santo Cristo estão totalmente abandonados,já que é p/ preservar a historia,ou revitalizar o local……………..

  7. 77 Ivan 04/12/2011 14:59

    O bairrismo impera até num simples comentario,porque eu disse que sou paulista,e conheço o Rio razoavemente bem,porem este local não conheço,assim como muitos cariocas,e que este local deveria ser revitalizado,e preservado,o meu comentario foi retirado deste espaço,…..que coisa pequena e mesquinha,qdo este povo realmente se tornara adulto,e se profissionalizara?

  8. 76 gilda 04/12/2011 12:48

    Linda essa matéria! Parabéns!!! O triste é saber que a maioria de nossa população não sabe da existência de um lugar assim. Ótima iniciativa de atitudes assim que precisamos!!! Valeu!

  9. 75 Ronaldo Martins 04/12/2011 12:45

    Boa tarde, vivo na Gamboa e felizmente existe este paraiso encravado no centro do Rio de Janeiro chamdo – Pedra do Sal, Ladeira Madre de Deus e Jogo da Bola . Relamente precisamos divulgar mais !!

  10. 74 ronaldo 04/12/2011 12:09

    eu treinava boxe em uma praça chamada são francisco da prainha ,eu acho que erá do lado do morro da conceição , alguém se lembra a academia se chamava santa rosa

  11. 73 Leticia machado 04/12/2011 12:04

    Gostaria muito de visitar o lugar, adoro conhecer minha cidade! Por onde se tem acesso ao local partindo da Praça Mauá?

  12. 72 Thiago 04/12/2011 11:53

    Tem uns barzinhos mto bons e com preços acessíveis! Vamos ver se depois dessa ótima reportagem eles não reajustam…..rs

  13. 71 Márcio 04/12/2011 10:32

    Boa a matéria. No final dos anos noventa, levei meus alunos do supletivo para conhecerem o Observatório do Valongo, e valeu a pena, até então nem eu conhecia o lugar. Muito legal.

  14. 70 RONALDO TORRES BRAGA 04/12/2011 9:51

    A MINHA VIDA FAMILIAR TEM RAÍZES NESTE LUGAR. MORAMOS NO MORRO, E TRABALHAMOS
    NA UNIDADE MILITAR LOCALIZADA ALÍ.
    É IMPORTANTE ESTA REPORTAGEM QUE VALORIZA A NOSSA MEMÓRIA HISTORICA.

  15. 69 Ivan-S.Paulo 04/12/2011 7:49

    Conheço relativamente bem o Rio,e confesso que jamais ouvi falar deste local,e como este creio haver outros locais tb,o problema é que se dá mtt enfase a zona sul,e os bairros de praia,e se esquece que há mtt beleza escondida,que precisa ser descoberta,revitalizada,p/ tornar esta cidade cada dia melhor,e mais bonita.

  16. 68 Ivan-S.Paulo 04/12/2011 7:43

    devido ser um local historico e bonito,é obrigação do estado revitaliza-lo,e embeleza-lo,criar museus,bibliotecas,e realmente torna-lo um oasis de paz ,meio a este caos desta grande cidade.Um paulista apaixonado por esta cidade.

  17. 67 Francisco 04/12/2011 3:06

    Se tivesse traficantes de AR-15, apareceria vinte vezes por semana na TV, fariam filmes sobre ele, documentários, o escambau. Não é, é só um lugar onde brasileiros moram…

    Não é negar o lado ruim, mas o Brasil capricha excessivamente em não mostrar o lado bom.

  18. 66 fatima 03/12/2011 21:54

    vivi parte da infância neste local, sem dúvida ele é pleno, deixa raizes e marcas da história… realmente é muito desconhecido pelos cariocas.

  19. 65 Lucia 03/12/2011 20:45

    Que matéria linda! Se fosse na Europa esse e outros lugares históricos seriam preservados. Pena que a maioria dos brasileiros não tenham cultura nem memória.

  20. 64 BB Schmitt 03/12/2011 17:13

    Gostaria de montar meu atelier neste lugar cheio de historias …

  21. 63 Marisa Barletto 03/12/2011 17:04

    Obrigada pela ótima matéria. Parabéns pelo trabalho.

  22. 62 ANIBAL DOS SANTOS FILHO 03/12/2011 16:39

    Muito legal mesmo! Parabéns pela matéria. Mas, não deixei de reparar que um muro, leia-se Pedra do Sol, há uma pichação. Rua nenhuma está livre desta praga, desta maldição.

  23. 61 José lopesde Oliveira 03/12/2011 16:32

    Maravilha, morei por 27 anos neste local e esta pequena reportagem mostrou uma minuscula parte do que representa o Morro da Conceição com sua imensurável história.
    Parabens

  24. 60 Carlos Moreira 03/12/2011 16:03

    Morei 17 anos no Rio e nunca ouvi falar deste maravilhoso lugar. É uma pena que não se mostre o que há de importante no relato que li acima e nas fotos que também pude observar.
    Meus parabens por terem me presenteado com esta verdadeira aula.
    Abraços

  25. 59 Carlos Moreira 03/12/2011 16:03

    Morei 17 anos no Rio e nunca ouvi falar deste maravilhoso lugar. É uma pena que não se mostre o que há de importante no relato que li acima e nas fotos que também oude observar.
    Meus parabens por terem me presenteado com esta verdadeira aula.
    Abraços

  26. 58 Vinicius 03/12/2011 15:54

    A matéria é boa para apresentar o Morro da Conceição mas, dizer que ele é desconhecido dos cariocas é no minimo, um grande exagero. Dê uma passadinha no bar Imaculada e, verá várias gravuras expostas de alunos e ex-alunos da UFRJ.

  27. 57 Rogerio 03/12/2011 15:20

    Sou funcionário dos Correios, e durante muitos anos fui carteiro nesta área, com muito orgulho conheci várias lendas vivas do morro, seus primeiros moradores, ouvi muitas histórias, de quando a rua sacadura cabral ainda nem existia (a rua e o Largo da Prainha tem este nome porque no local havia uma pequena praia), do Angu do Gomes, do Seu Chapéu (morador lendário), rua do Jogo da Bola, João Homem, etc. Este local é um oásis no caos urbano, quem transita pelo centro do Rio nem imagina q ele existe nem os segredos q esconde.

  28. 56 moradora indignada com a exploração local 03/12/2011 14:07

    Presumo que este texto tenha escrito por alguém que desconhece a história real deste local, quando diz que o local estava deteriorando e que os ‘artistas’ estão revigorando o morro. Como moradora possa alegar que acontece ao contrário. Antes um lugar calmo e pouco conhecido, ondes as crianças podiam brincar livremente e os moradores manter as janelas e portas de suas casas abertas, hoje um local onde sempre há pessoas estranhas, algumas tentando tirar fotos até dentro das casas das pessoas através das janelas abertas, outros procurando por drogas, outros até mesmo para observar o cotidiano para aproveitar o momento certo de atacar, pois, alguns moradores já tiveram suas casas assaltadas nos últimos seis meses.
    Quanto aos artistas, estão aproveitando o momento certo para comercializarem suas mercadorias, por isso fazem tanta questão de divulgarem o local, para eles o morro da conceição é apenas uma oportunidade, mas para nós moradores era nosso conforto, segurança e identidade.
    Ah, só para deixar claro, quem está conhecendo o local está vendo as ruas esburacadas e maltrapilhas, mas é apenas resultado da revitalização.

  29. 55 Mq 03/12/2011 13:20

    O centro histórico do RJ abriga lugares fascinantes

  30. 54 francisco gomes 03/12/2011 12:34

    maravilha de se ver este o Rio e o Brasil,que precisa ser visto por nos brasileiros.

  31. 53 fatima 03/12/2011 11:43

    As imagens passaram uma sensação de paz e tranquilidade,muito bacana.

  32. 52 Felismina Gomes 03/12/2011 11:29

    Conheço esse local é muito bonito! tinha uma amiga que morava lá. E gostavamos de subir até o alto do morro para nos deliciarmos com a bela paisagem da baía da Guanabara.

  33. 51 Haier leonel 03/12/2011 10:55

    Parabéns pela iniciativa. O Brasil precisa de “MEMÓRIA. Temos que cuidarmos mais do nosso passado para que possamos compreendermos melhor o futuro. VIVA O RIO DE JANEIRO E VIVA O BRASIL!!!

  1. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.